sábado, 20 de fevereiro de 2021

Santos no Palácio de César

 


Santos no Palácio de César

 

 

Texto: Filipenses 4:21-23

 

Introdução

   A. A carta de Paulo aos Filipenses começa com uma saudação a "todos os santos em Cristo Jesus que estão em Filipos". (Filipenses 1:1)

     1. Santos (Hagios: Santos, sagrados, moralmente irrepreensíveis, puros, consagrados)

     2. Equivalente a “santo” no Antigo Testamento: Hebraico: Kadosh (sagrado, separado).

     3. “Santos” identifica pessoas “separadas” do mundo e consagradas a Deus.

     4. “Santo” não significa seres sem pecado! (I Coríntios 1:2; cap. 5; cap. 11) - O mundo está confuso quanto ao significado da palavra!

 

   B. A carta aos filipenses termina com uma saudação aos santos no palácio de César!

     1. Filipenses 4:21-23: Uma declaração simples com um significado profundo: Alguém pode fazer o certo independentemente das circunstâncias da vida.

        a. Pode se referir a escravos ou membros reais da família de César.

        b. Os césares não eram conhecidos por sua espiritualidade, sua moralidade, seu autocontrole, nem por sua apreciação pelo cristianismo.

        c. Muitos deles (Nero, Domiciano, Maximino, etc.) eram inimigos declarados do Cristianismo e perseguiram a igreja.

 

   C. Esta saudação simples dos santos no palácio de César nos ensina que uma pessoa pode ser "separada" e viver piedosamente em um mundo mau!

 

I. "Santos no Palácio de César" no Passado

   A. José (Genesis 39)

      1. Ele serviu na casa de um pagão (politeísta) (Gênesis 39:1-2).

      2. Ele foi frequentemente tentado a cometer adultério (Gênesis 39:10).

      3. Ele sofreu por fazer o que era certo e foi lançado na prisão! (Gênesis 39:11-20)

      4. Ele prosperou mesmo na prisão porque nunca perdeu a fé em Deus (Gênesis 39:21-23).

      5. Sua fé não era circunstancial - Gênesis 50:20 (Deus usou suas circunstâncias para o bem)

      6. Ele não votou no Faraó do Egito, mas serviu a Deus fielmente sob ele!

 

   B. Sadraque, Mesaque e Abednego (Daniel 3)

      1. Seus nomes judeus eram: Hananias, Misael e Azarias (Daniel 1:6-7)

      2. Exemplo de não cair na pressão dos colegas: "Todo mundo estava fazendo!"

      3. Eles se destacaram porque não se curvaram (Daniel 3:12).

      4. Eles poderiam ter adotado a "cláusula de circunstâncias incomuns"; “Quando em Roma, faça como os Romanos” (Inserir: Babilônios).

      5. A fé deles em Deus não era circunstancial - Daniel 3:16-18 (Deus poderia escolher salvá-los, mas mesmo se não o fizesse, eles não se curvariam!)

      6. A fé deles fez com que o rei pagão fizesse uma declaração de fé (Daniel 3:28-30).

      7. Eles não votaram no Rei Nabucodonosor, mas serviram a Deus fielmente sob ele!

 

   C. Daniel (Daniel 6)

      1. A fé de Daniel não foi deixada para trás em Judá, era quem ele era, não importa onde estivesse! (Daniel 1:8)

      2. Sua fé não era circunstancial - Daniel 6:10 (fossem os babilônios em 605 aC ou os medo-persas em 539 aC, e mesmo depois de saber que o decreto tolo foi assinado pelo rei persa, que não podia ser retirado, ele ainda orava 3 vezes por dia, como era seu hábito)

      3. Ele enfrentou firmemente o perigo de morte na cova dos leões (Daniel 6:16-17).

      4. Sua fé fez com que o rei pagão fizesse uma declaração de fé (Daniel 6:26-27).

      5. Ele não votou em nenhum dos reis da Babilônia ou em nenhum dos reis persas, mas continuamente serviu fielmente a Deus sob eles!

 

   D. Santos no palácio de César (Filipenses 4:22)

      1. Estes eram os santos no palácio de César (escravos ou membros da família).

          a. Esta frase mexe com a nossa imaginação!

          b. Quem são os membros da casa do imperador Nero mencionados aqui?

          c. Eram alguns dos soldados designados para vigiar o apóstolo Paulo e que foram salvos por meio de sua pregação e ensino? (Filipenses 1:12-14: Paulo era bem conhecido entre toda a Guarda Pretoriana, ou seja, os soldados do palácio!)

          d. Eles eram escravos ou libertos que trabalhavam no palácio?

          e. Ou a expressão pode incluir alguns funcionários do governo romano?

          f. Não podemos saber com certeza, mas aqui temos uma ilustração impressionante da verdade de que os cristãos, como as lagartixa encontram seu caminho nos palácios dos reis (Provérbios 30:28)!

 

1) NOTA: A palavra hebraica usada aqui não é a palavra usada para lagartixa em qualquer outra parte do texto hebraico, e tem o significado básico de algo que envenena.

 

      2) A maioria dos textos gregos e latinos traduzem como "lagartixa", provavelmente da superstição de alguém ser "nocivo".

 

      3) O que quero dizer com isso é que uma criatura fraca como uma lagartixa, que é tão facilmente capturada, não pode ser impedida de entrar nos lugares mais significativos!

          g. O evangelho não conhece limites.

          h. Ele pode penetrar nas paredes mais proibitivas; pode plantar-se bem no meio daqueles que procuram exterminá-lo; Verdadeiramente, as portas do inferno não prevalecerão contra a igreja de Jesus Cristo! (Mateus 16:18)

 

   2. Um lar difícil para permanecer fiel e ser uma influência piedosa.

 

   3. Quando você achar que está passando por dificuldades, pergunte-se: "Eu poderia ter sido um santo na casa de César?"

 

   4. Eles não votaram em César, mas permaneceram fiéis a Deus sob ele, mesmo morando em sua casa!

 

   E. Apesar das circunstâncias da vida, esses santos viveram vidas piedosas e influenciaram os idólatras entre os quais viviam!

 

II. “Santos no Palácio de César” Hoje (Colossenses 1:2: “Fiéis”)

   A. Em algumas casas

      1. Alguém pode ser fiel apesar de ter um cônjuge descrente, talvez até mesmo ímpio.

      2. I Coríntios 7:12-16: Um marido ou esposa pode ser fiel sob tais circunstâncias e pode até salvar o outro!

      3. I Pedro 3:1-2: A mulher cristã pode ser fiel e pode até converter seu marido por meio de seu comportamento piedoso!

      4. É importante ser o exemplo de Cristo em tais circunstâncias, para que sua alma seja "ganha".

      5. Pense nos santos que moram no palácio de César! (Filipenses 4:22)

 

   B. Em certos trabalhos

      1. O mal tudo sobre eles: maldição, palavrões, palavras / piadas sujas.

      2. Pressão para “aliviar as pressões do dia” bebendo álcool após o trabalho.

      3. I Pedro 4:3-5: Importante permanecer fiel apesar das pressões, porque todos nós prestaremos contas a Deus (E seremos julgados de acordo com isso! II Coríntios 5:10).

      4. Pedro diz que eles não entenderão seu comportamento e podem até zombar de você.

      5. Colossenses 3:23-24: Trabalhamos para o Senhor!

      6. Pense em Daniel, cuja ética de trabalho era irrepreensível! (Daniel 1:8; 6:4)

 

   C. Em algumas escolas

      1. Os jovens (mesmo os que estão na faculdade) sofrem pressões para se envolverem em comportamentos mundanos: dança, uso de drogas, álcool, promiscuidade sexual, etc. ...

      2. I Timóteo 4:12; Tito 2:6-8: Os jovens cristãos podem ser exemplos fiéis e precisam ser!

      3. Quando você achar que a pressão é muito grande, pense em Daniel (um jovem) e no impacto que ele teve em um reino! (Daniel 1:3-4, 8, 18-21)

 

   D. Nas forças armadas

      1. Exposto a muitas tentações (longe da família e amigos, muitas vezes em terras distantes): Mentalidade “Quando em Roma”.

      2. Grande tentação de pensar: “ninguém saberá”.

      3. Tiago 1:13-15: Nós pecamos quando cedemos às nossas luxúrias / desejos.

      4. Deus sabe, e seremos considerados responsáveis pelo exemplo que damos (Romanos 14:12; Filipenses 2:9-11).

      5. Pense em Cornélio, um militar cujo caráter era impecável (Atos 10:1-2).

 

Os cristãos podem viver uma vida piedosa, independentemente das circunstâncias da vida!

 

Conclusão

   A. Pode-se fazer o que é certo se a determinação for forte o suficiente! - Filipenses 4:13

   B. O mundo de hoje se parece muito com o de Roma, e temos a mesma responsabilidade de sermos fiéis em um mundo de trevas.

      1. Filipenses 2:14-16: Os cristãos devem deixar sua luz brilhar apesar do que o mundo faz!

   C. Uma grande lição encontrada em Filipenses 4:22: Pode-se fazer o que é certo apesar das circunstâncias desfavoráveis!

   D. Se você não é cristão, precisa ser. Não continue a ser engolido pela escuridão do mundo. Arrependa-se, seja batizado e deixe sua luz brilhar!

   E. Se você é um cristão e está errado, pense em seu exemplo e na influência que você tem sobre os outros. Você já foi um "santo no palácio de César?" Arrependa-se, renove-se e deixe sua luz brilhar!

   F. Quaisquer que sejam seus pedidos, deixe-os ser conhecidos AGORA enquanto estamos de pé e cantamos!

 

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

Diáspora Unicitária

 

Diáspora Unicitária



 

“...Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra"...” (At.1:8 NVI).

Há muito tempo tenho o desejo de falar sobre este tema.

A dispersão do século 21, tem trazido a tona muitas controvérsias, uma delas é:

 

Por que há tantas igrejas?

Por que as Igrejas unicistas são relativamente pequenas?

Por que somos gente desconhecida?

Por que não vivemos a unidade?

Por que somos considerados seitas? E por fim

Como mudar este quadro?

 

Pretendo neste compendio responder a estas perguntas para que possamos sair daqui com uma visão ampla sobre a mensagem unicista e também o futuro dos jovens pregadores; antes porem quero lhe convidar para nos familiarizarmos com os termos:

1.                       Diáspora: dispersão dos judeus, no decorrer dos séculos, por todo o mundo.  Dispersão de um povo em consequência de preconceito ou perseguição política, religiosa ou étnica.

2.                      Unicitária: terminologia que indica na religião o segmento de um único Deus.

 

Logo, então, falaremos sobre a perseguição, dispersão e as consequências para o povo do Nome.

 

Nossa história começa no livro de Atos capitulo 1:8 que diz: “...Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra..."

 

A dispersão já estava prevista na mente de Deus, tanto é que Ele nos ensina que seriamos testemunhas em Jerusalém (local), Judeia (estadual), Samaria (interestadual) e confins da terra (internacionalmente); porem, com o crescimento espantoso da Igreja, Pedro o portador da abertura da fé para as demais civilizações ficou acomodado e com isto no ano 70 veio a primeira dispersão efetiva para a Nação de Israel e por conseguinte para a Igreja.

 

Por quê há tantas Igrejas?

1 – Motivo [Existem igrejas porque foi o próprio Jesus quem fundou a igreja Cristã]

Jesus disse ao apóstolo Pedro: Mateus 16:18 Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

Neste texto nós vemos que foi o próprio Jesus quem estabeleceu uma igreja. A igreja é uma ideia de Deus e não dos homens.

Jesus disse que Ele é a pedra que sustenta a igreja, e não o apóstolo Pedro. Jesus só fez um jogo de palavras com o nome de Pedro dizendo: tu és Pedro, mas Eu Sou a Pedra, a Pedra que sustenta a igreja. Vejamos outros versos da Bíblia que apoiam esta verdade;

Aos Judeus o próprio Pedro disse:

Atos 4:11 Este Jesus é pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular.

1 Pedro 2:6 Pois isso está na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será, de modo algum, envergonhado.

O apóstolo Paulo também falou sobre este assunto, em 1 Coríntios 3:11 Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.

Vemos então claramente, que Jesus é a Pedra que sustenta a igreja e não o apóstolo Pedro. Foram os homens quem inventaram esta história sobre Pedro. Até hoje muitos creem que o papa é o sucessor de Pedro e que ele é o fundamento da igreja, mas isto é apenas uma tradição inventada por homens, não pode ser provada pela Bíblia. E nós não podemos crer em coisa alguma que não possa ser provado pela Bíblia. Jesus é o único fundamento da igreja verdadeira, e Ele nos estimula a nos congregarmos como irmãos na fé. Ele disse que quando fizermos isto, Ele estará em nosso meio.

A União é Ideia de Deus

Gênesis 2:18 E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; Vemos aqui que a família foi uma ideia de Deus, e assim também a igreja, como uma família espiritual, foi uma ideia de Deus. Não é bom que o homem esteja só. Com respeito a este assunto o apóstolo Paulo disse:

Hebreus 10:25 não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns;

Quando nos congregamos, temos a oportunidade de partilhar uns com os outros, as muitas experiências que temos tido com Deus e com a Sua Palavra. Nos congregamos para louvar a Deus e também para aprender coletivamente da Sua vontade para nós.

Jesus nos incentiva a nos reunirmos, Ele disse: 
Mateus 18:20 Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.

Vemos na Bíblia que Deus colabora com nosso trabalho missionário, a fim de que mais pessoas façam parte da igreja.
Atos 2:47 louvando a Deus e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.

Se o próprio Senhor acrescentava novos membros a Sua igreja, isso mostra que Ele quer que estejamos unidos. Deus não é a favor do individualismo.

Salmos 133:1 Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!

O apóstolo Paulo também falou sobre este assunto, em 1 Coríntios 3:11 Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.

Em Salmo 122:1 lemos Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do SENHOR.

É uma alegria para o povo de Deus ir a Casa do Senhor. Quem realmente ama a Deus gosta de juntar-se a seus irmão de fé para adorar a Deus.

Em Lucas 4:16 lemos E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga e levantou-se para ler.

Jesus tinha por costume ir todos os sábados a sinagoga, que era a igreja em Seu tempo. Os que querem seguir a Jesus também irão ter o costume de ir aos sábados a igreja.

2 - Motivo [Existem muitas igrejas diferentes porque elas não seguem a Bíblia]

Jesus disse: João 5:39 Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim.

O principal motivo de existirem tantas igrejas é o fato de elas não examinarem o mesmo livro, a Bíblia. Se todas as igrejas examinassem a Bíblia, haveria apenas uma igreja. Talvez você pense que todas as igrejas sigam a Palavra de Deus, mas isto não é verdade. Quase todas as igrejas seguem apenas parte da Bíblia, mas não a seguem completamente. Várias igrejas ensinam que seus membros não devem ler a Bíblia, pois somente os que estudaram teologia podem entende-la. A igreja Católica na época da inquisição ordenou que se queimassem milhares de Bíblias, pois dizia que o estudo da mesma era perigoso para as pessoas. Diziam que só os padres poderiam compreende-la.
Infelizmente este costume permanece até hoje. Muitos não ousam discordar de seus padres, pastores e líderes religiosos, pois dizem que estes homens estudaram muito, somente eles sabem interpretar a Bíblia. Este problema ocorre também com os que estão na universidade, quando convidados a estudarem a Bíblia, preferem perguntar a seus professores qual é a opinião deles sobre o assunto. E porque muitos professores são ateus, seus alunos são desviados da verdade.

Você acha difícil entender a Bíblia? 

Ouça esta promessa: Tiago 1:5 Mas, se alguém tem falta de sabedoria, peça a Deus, e ele a dará porque é generoso e dá com bondade a todos.

A Bíblia é luz 119:105 Lâmpada para os meus pés é tua palavra e luz, para o meu caminho.

O apóstolo Paulo disse com respeito às pessoas que não querem ler e que rejeitam a Bíblia:

2 Ts 2:11 ... Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira,

Deus permitirá que creiam na mentira, pois Ele nos deu livre arbítrio. Podemos crer no que quisermos, mas perderemos a salvação por crermos na mentira.

Em João 8:44, Jesus disse que o diabo é o pai da mentira, todos os que preferem a mentira, estão ouvindo a voz do diabo. E todos os que querem saber a verdade, leem a Palavra de Deus. Somente a Bíblia pode nos dizer o que é a verdade, e assim saberemos também o que é a mentira.

Uma igreja que segue apenas parte da verdade, segue também parte da mentira. E quem tem parte na mentira não está fazendo a vontade de Deus.

Talvez você pergunte, mas porque uma igreja que tem a Bíblia nas mãos seguiria apenas uma parte dela?

Muitas pessoas seguem apenas parte da Bíblia, porque estão enganadas. Mas quando elas forem iluminadas pela verdade terão de tomar uma decisão, seguir a Palavra de Deus ou seguir as palavras dos homens.

Ao estudarmos os próximos dois motivos, você entenderá um pouco mais sobre este assunto.

3 - Motivo [Existem várias igrejas, porque há homens gananciosos que usam a religião para ganhar dinheiro]

Atos 8:9 Ora, havia certo homem, chamado Simão, que ali praticava a mágica, iludindo o povo de Samaria, ...

18 Vendo, porém, Simão que, pelo fato de imporem os apóstolos as mãos, era concedido o Espírito Santo, ofereceu-lhes dinheiro, 19 propondo: Concedei-me também a mim este poder, para que aquele sobre quem eu impuser as mãos receba o Espírito Santo; 20 Pedro, porém, lhe respondeu: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus; 21 Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus.

Simão queria usar a religião para ganhar dinheiro.

Muitas pessoas dizem não pertencer a nenhuma igreja porque todas igrejas só querem tirar dinheiro das pessoas. Nós concordamos que muitas igrejas foram abertas exclusivamente para ganhar dinheiro, mas não cremos que sejam todas. Muitos abusam da bondade das pessoas. Ensinam coisas fantasiosas somente para chamar a atenção. Procuram fazer coisas que agradem seus membros, da mesma forma que um artista faz para atrair o seu público. Os líderes destas igrejas quando são bem sucedidos, podem ser vistos desfilando com carros novos, muitas vezes importados. Possuem grandes casas, vestem roupas caras, fazem muitas viagens e coisas assim. Dizem serem representantes de Jesus, mas longe estão da simplicidade que Ele e Seus discípulos viveram. Dificilmente eles possuem tempo para visitar os membros da igreja. E na maioria das vezes eles só visitam os membros que possuem mais dinheiro. Prometem aos seus membros que quanto mais dinheiro derem para a igreja, mas sucesso terão. Também ensinam que aqueles que estão pobres, não estão sendo abençoados por Deus.

Abrir uma igreja para poder ganhar dinheiro pode ser muito lucrativo, especialmente num país pobre como o nosso. Este é um motivo bem comum em nossos dias. Há muitas igrejas diferentes, porque há muitos líderes religiosos querendo ganhar dinheiro. Se você conhecer um líder religioso que vive uma vida de luxo “ás custas do evangelho,” pode ter certeza que ele não serve a Deus. Os servos de Deus não acumulam riquezas. Especialmente os que são sustentados pelo dízimo, devem viver uma vida simples. Na Bíblia, a tribo de Levi, que era sustentada pelos dízimos, não recebeu herança junto com as outras tribos.

4 - Motivo [Existem muitas igrejas porque as pessoas se sentem bem nelas]

A maioria das igrejas possui tradições que não estão de acordo com a Bíblia, mesmo sendo religiosas. São tradições criadas por homens. Na maioria das vezes, estas tradições substituem os mandamentos de Deus. Sendo assim Deus não se agrada com elas.

Ouça o que Jesus disse aos Judeus com respeito as tradições criadas pelos homens:

Marcos 7:7 E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.

Marcos 7:8 Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens.

Marcos 7:9 E disse-lhes ainda: Jeitosamente rejeitais o preceito de Deus para guardardes a vossa própria tradição.

Marcos 7:13 invalidando a palavra de Deus pela vossa própria tradição, que vós mesmos transmitistes; e fazeis muitas outras coisas semelhantes.

E o apóstolo Paulo nos alerta:

Colossenses 2:8 Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo;

Quando mostramos a uma pessoa que a igreja que ela frequenta não segue toda a Bíblia, muitas vezes ouvimos: ah! Mais eu me sinto tão bem lá. Ou então: "todas as igrejas ensinam o bem", "todas estão certas".

É por causa de sentimentos como estes que o rei Salomão disse:

Provérbios 16:25 Há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte.

Quando eu ao ler a vontade de Deus na Bíblia, sai da igreja Católica, meu avô dizia que ele havia nascido católico e iria morrer católico. Meu avô chegou a reconhecer que as tradições religiosas que ele seguia eram reprovadas pela Bíblia, mas ele preferiu ficar com as tradições do pai dele, do que com a verdade do Pai Celeste.

Muitas pessoas estão tão presas as tradições que ficam ofendidas de conhecerem o que a Bíblia, que é a Palavra de Deus, diz.

Alguns dizem: os tempos mudaram. E é verdade, os tempos mudaram. Mas e a Palavra de Deus mudou com o tempo?

Leia o que Jesus disse:

Lucas 21:33 - Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão.

Malaquias 3:6 - Porque eu, o SENHOR, não mudo...

Deus não muda. Sua Palavra também não muda, pois Deus é fiel. 

O que Deus condenou no passado, não passou com o tempo a ser abençoado.

Por exemplo, Deus diz que se sente traído ao ver alguém adorando ídolos. Mas muitos, mesmo quando mostramos isto na Bíblia, ficam com raiva e dizem que não querem saber, pois estão decididos a manterem seus deuses feitos de pedra, e não se importam com o que a Bíblia diz.

Podemos nos sentir bem num lugar onde sabemos que a vontade de Deus não é feita, e é ensinado o erro para as pessoas?

Quando uma pessoa está sendo engana, ela não sabe que está sendo enganada, pois a partir do momento em que ela souber, o engano será desmascarado.

Caro amigo não seja mais enganado. Faça um exame profundo das coisas que você acredita, e se elas não puderem ser provadas pela Bíblia, então são ensinos falsos. Algumas pessoas dizem: minha igreja ensina muitas coisas boas, mas isto não é suficiente. É preciso ensinar toda a verdade. Quando queremos pegar um rato, nós colocamos um pedaço de queijo numa ratoeira, pois é o que o rato gosta. Mas aquilo que para o rato parece bom, é o fim dele. Muitas igrejas oferecem Rock, pagode, samba, rap e vários outros ritmos musicais e muitas outras coisas que antigamente era condenado pelos cristãos Bíblicos. Mas hoje para atrair pessoas, tudo está certo e vale tudo.

Ensinam somente as coisas que lhes convém. Várias coisas ensinadas nestas igrejas são encontradas também na macumba. Quando cobramos destas pessoas uma evidência Bíblica para as coisas em que elas acreditam, elas dizem que vão perguntar ao pastor da igreja, elas nada sabem por si mesmas. E qualquer explicação do pastor é aceita por elas, sem nenhum questionamento.

Bem agora que entendemos sobre a historiografia, voltemos então para as Escrituras, nosso texto tema é Atos 1:8, onde o Senhor Jesus deixou a ordem de que seriamos testemunhas dEle, em Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da terra.

Esta ordem deveria ter sido bem entendida pelo Apostolo Pedro, porém, ele assim como muitos unicistas hoje em dia, era extremamente xenofóbico, e manteve o estabelecimento da Igreja apenas em Jerusalém, o que é muito provável que faríamos o mesmo. Pensa bem o que você faria com uma inauguração de Igreja onde no primeiro culto 3.000 pessoas acomodassem-se nas cadeiras e passassem a fazer parte do mesmo ministério? Com certeza a palavra de ordem seria administrar o que já conseguimos.

Se por um lado vamos falar sobre o início da Igreja e entendermos que não há mudanças circunstanciais, pois, continuamos nas mesmas acomodações ministeriais, por outro lado podemos entender que o movimento para a busca da unidade da Igreja não pode ser meramente emotiva tem que ter um cunho escatológico.

A igreja começa com um erro circunstancial, por um lado tinha o “Assim diz o Senhor”, por outro lado pesava a inercia e o xenofobismo que assolou os corações dos primeiros apóstolos.

 

Passemos a responder a primeira pergunta então:

 

Por que as Igrejas unicistas são relativamente pequenas?

Todos os novos convertidos a Unicidade nos fazem esta pergunta, nossa resposta quase sempre é baseada no texto que o Senhor Jesus diz: Não temas pequeno rebanho (Lc.12:32), mas será que este texto realmente quer dizer sobre o povo do nome, ou é uma desculpa esfarrapada para encobrirmos nossos erros teologais? E xenofobismo ministerial?

Bem, para esta indagação, depois de muita pesquisa com pastores contemporâneos e também com pastores da velha guarda, consegui chegar em apenas estas três definições que lhes comentei.

1 – A ideia de que Deus nos chamou para sermos pequeno.

2 – Por causa de erros teologais.

3 – Xenofobismo ministerial.

 

1 – A ideia de que Deus nos chamou para sermos pequeno: O povo do Nome sempre foi perseguido, desde o surgimento da Igreja em Atos dos Apóstolos até o dia de hoje, costumo dizer que a Igreja que não é perseguida não, sabe o que é servir a Deus. Agora ser perseguido não é sinônimo de mesquinhez ou apoucamento. Somos pequenos porque algo maior está por traz disto, uma vez que temos a verdade que liberta e que o povo está se submetendo a palavra não deveríamos então sermos um grupo grande?

2 – Por causa dos erros teologais: Uma coisa que precisamos ter em nossas vidas ministeriais é que cometemos erros, somos seres humanos e somos passivos de erros, alguns erros são naturais e outros são de extrema dureza espiritual. E reflete no apoucamento de massas, há divisões que são frutos de rebeldia, divisões que são frutos de crescimento, porém, aqui quero apresentar um tipo de divisão que é fruto exclusivo de nossa liderança equivocada. Quantos de nós em algum momento, lá no nosso intimo pensamos, se eu tivesse pensado um pouco eu com certeza agiria diferente.

3 - Xenofobismo ministerial: Alguns líderes sofrem de xenofobismo ministerial, ou seja, aversão de qualquer coisa que venha de fora, os próprios membros que saíram de suas entranhas ministeriais são xenofóbicos, pois aprenderam desta forma, desenvolvem um “patriotismo” exagerado da sua Igreja e não conseguem olhar que os demais irmãos e amigos tem boas ideias e podem aportar para o crescimento da Igreja.

Estes motivos são a princípio muito simplistas não é mesmo? como poderíamos ter igrejas tão pequenas com equívocos tão pequenos? Porém, fazem toda a diferença pois o conceito vindo da perseguição de que somos um pequeno rebanho, nos amolda a padrões medíocres de pensamento, de atitude e principalmente de ganhos para o reino de Cristo Jesus. Por outro lado, este pensamento que também é um erro teologal adicionado a outros erros teologais fazem com que a Igreja se amolde em fragmentos minoritários cada vez mais exacerbados, e por último, o xenofobismo ministerial nos leva a entender já que somos pequenos, cometemos por nós mesmos os nossos erros não deixaremos então que ninguém venha cometer erros em “nossos quintais”.

 

Sigamos para a nossa segunda pergunta:

 

Por que somos gente desconhecida?

Já expressou o Pastor Silas Malafaia sobre nós unicistas, que somos a minoria, da minoria, da minoria. Muitos se enclausuraram em seus complexos de inferioridades e aceitaram tal ataque, porém, a resposta não virá com o enclausuramento, ou com a aceitação de que somos desconhecidos, precisamos encontrar a resposta. Tenho comigo algumas opções:

1 – Somos desconhecidos porque não nos juntamos.

2 – Somos desconhecidos porque queremos andar com os pagãos trinitários

3 – Somos desconhecidos porque nossa apologia é pobre.

 

1 - Somos desconhecidos porque não nos juntamos: Os grandes movimentos Unicitários do Brasil, tais como Igreja Pentecostal Unida do Brasil, Igreja Apostólica (a inconfundível), Igreja Evangélica Apostólica, Igreja de Deus, Voz da Verdade e outros grandes movimentos, recusam-se arduamente em unirem forças com os movimentos minoritários, por acreditarem que eles são grupos rebeldes que saíram dos grandes. Ora é obvio que existem casos de rebeldia, porém, eu pergunto seria todas as Igrejas pequenas rebeldes? Se caso a resposta seja afirmativa, Deus estaria operando na vida destas Igrejas por pura misericórdia? Ou porque Ele realmente tem um interesse especial em que dentro das grandes Igrejas ocorra também uma diáspora?

A Igreja é o corpo místico na terra, e como o corpo humano, possui mais de 130 células que se reproduz na incrível velocidade de 300 milhões de células por minuto ou 432 trilhões de células diariamente, mas formam desta forma um outro corpo humano? É obvio que não, esta incrível renovação celular faz com que o corpo humano tenha uma expectativa de vida de 74 anos no Brasil, o que isto quer dizer, que a Igreja tem conseguido suportar século após século por causa da renovação das células do mesmo corpo de Cristo, então antes de condenar e acusar de pecado de rebeldia, analise o resultado da renovação.

Mas uma coisa é certa, apesar de que a renovação e a pluri celularidade é necessário, precisamos estar todos ligados no mesmo tronco para sermos corpos vivos.

2 -  Somos desconhecidos porque queremos andar como os pagãos trinitários: Talvez a pior de todas as marcas do movimento unicitário hoje, é querermos andar como os pagãos trinitários andam, acreditamos que podemos conquista-los andando como eles andam, e lastimavelmente o Pastor Carlos Moises, afirmou em uma pregação de muitos unicistas dentro de Igrejas trinitárias como “agentes secretos”, queridos irmãos pensemos um pouco, será que é suficiente o batismo em Nome de Jesus, porém, cearmos, comungarmos, dizimarmos com os trinitários? Será que nós vamos nos esquecer do que eles fizeram? O escritor no livro de Hebreus cita um pouco do escarnio que tipo logicamente os ministros passaram no AT. prefigurando o sofrimento do povo unicista que viveram nas mãos dos trinitários sob a ordem de Constantino, Lutero, Calvino e tantos outros: “...Os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos; As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões; Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados (Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra...” (Hb.11:33-38 ARC).

E depois de tudo isto conviveríamos como irmãos, talvez no seu coração você diga, mas nós precisamos perdoar, querido ministro, não estou falando de perdão estou falando de atitude de fé, não somos como os que golpeiam o ar, nós somos ministros do Senhor, temos uma fé, nosso ministério não é terrenal, ou é? O hino 509 dos nossos hinários foram escritos para nós o povo do nome.

3 – Somos desconhecidos porque nossa apologia é pobre: Seriamos desconhecidos por nossa apologia ser pobre? É provável, o maior erro que um homem pode cometer e ser ignorante, voluntária ou involuntariamente, a ignorância escraviza o ser humano. Todos de alguma forma temos contribuído para a triste estatística da falta de leitura do brasileiro, o brasileiro só ganha em leitura de livros para Taiwan e para Coreia, porém, perdemos para Venezuela, México ou Argentina dentro do continente. Fora dele, turcos, egípcios, árabes sauditas, húngaros, poloneses, indonésios, filipinos e russos, desta forma nós cristãos poderíamos nos orgulhar? Pois pesquisas mostram que os cristãos leem o dobro do que lê a população. Façamos uma análise, qual livro você está lendo ou terminou de ler? Qual livro pegou pra ler e não foi até o final? Pode ser que ao olharmos nosso desempenho como leitores poderemos então entender que nossa apologia é pobre porque quase não lemos.

 

3 – Por que não vivemos a unidade?

O livro de Cantares diz assim: “...Sessenta são as rainhas, e oitenta as concubinas, e as virgens sem número; Porém uma é a minha pomba, a minha imaculada, a única de sua mãe, e a mais querida daquela que a deu à luz; viram-na as filhas e chamaram-na bem-aventurada, as rainhas e as concubinas louvaram-na...” (Ct.6:8-9).

A dificuldade da unidade é porque temos em nós algumas síndromes que lamentavelmente não conseguiremos falar nelas hoje com a totalidade que eu gostaria, mas a mais impressionante de todas é sem dúvida nenhuma a “SINDROME DE CAIM”, eu não conseguiu ver no seu irmão coisas agradáveis e apenas que seu sacrifício não foi aceito porque Deus aceitou do seu irmão, ele não entendeu que poderia fazer melhor, apenas que o problema estava em Abel. Muitos lideres hoje em dia também não se coloca na posição de servir e sim de olhar os acertos dos outros, uma certa ocasião li sobre a diferença profissional do Japonês e do Brasileiro:

O Japonês diz acho que ainda posso melhorar um pouco mais

O Brasileiro diz, não ficou tão ruim.

Será que poderíamos fazer melhor? A unidade?

 

Para tentar responder a esta difícil questão permitam-me falar sobre: UNIDADE, MODELO, CAUSA E PROPOSÍTO

  

“Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra; a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste. Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam um, como nós o somos; eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim” (Jo.17.20-23).


Na “Oração Sacerdotal”, como normalmente é chamada a oração de João 17, nosso Senhor intercede pelos Seus, suplicando pela a unidade da Igreja (vs.21-23). Não há nenhuma dúvida de que, para nosso Senhor, esse é um valor inegociável que revela a santidade da Igreja, afirma sua legitima sua missão.

Como, porém, falar de unidade na diversidade, se no contexto da própria Igreja muitos confundem unidade com uniformidade de governo, liturgia e corrente teológica. Além disso, houve um tempo em que a Igreja se dividia por divergência doutrinária, especialmente entre os anos 1960 e 1970. E se a partir da década de 1980, a Igreja passou a se dividir por questões de poder eclesiástico, quando houve o grande booommmm da titularidade poder nos títulos (obreiro, pastor, bispo, apostolo, patriarca etc...) nas últimas décadas, as divisões se intensificaram por motivos ideológicos ou político-partidários. Termos como “direitista” ou “esquerdista” têm sido utilizados no objetivo de desqualificar o irmão "opositor". Eu falei opositor? Mas, afinal, Cristo não morreu para que fôssemos um só povo?

A verdade é que a unidade proposta por Jesus encontra na cultura atual uma realidade de profunda adversidade.

A conduta individualista, a mentalidade descartável, a lógica de competição e o modelo religioso de mercado são alguns fatores da cultura vigente que explicam os cismas como uma prática rotineira na experiência da Igreja.

A cooperação deu lugar à competição e o espírito de concorrência torna a comunhão impraticável. Por isso falar de Igreja não significa falar de Cristianismo; o deus presente no discurso religioso, com frequência, não é o Deus da Bíblia; "outro" evangelho tomou o lugar do Evangelho de Cristo; o ensino sobre pecado é raro; falar de mandamento bíblico e de transgressão moral é politicamente incorreto; e o mais grave, a concepção de salvação é temporária, materialista e terrena. A expectativa de fé de ordem meramente terrena faz de novos evangélicos “os mais miseráveis de todos os homens” (1 Co 15.19).

Estamos inseridos numa sociedade regida pelo financismo. Não há mais lugar para a contemplação, a meditação, a piedade e a transcendência. Valoriza-se a ação, o poder, a conquista e a inovação. A vida se reduz a uma experiência de produção, lucro, consumo e exploração. O drama é que nada disso, em última instância, é capaz de satisfazer e plenificar a alma. O homem se "coisifica" à medida que seu valor é atribuído pela capacidade de produção e de consumo. Assim, ele vale pelo que faz e/ou pelo que tem, não importando seu caráter, sua história e valores.

Diante desse processo de secularização, a Igreja vai se tornando obsoleta, uma peça de museu em completo desuso. Nós pastores temos apoiado e aportado para isto, faltas de cultos, eventos motivadores, etc...

Existimos, porém, sem exercer qualquer influência na cultura, na educação, no trabalho e nos diversos modos de relação econômica.

Há anos atrás orientávamos nossos membros a que tipo de trabalho exercer, hoje, temos ladrões e meretrizes no rol de membros e o pior dizimando.

Nossa ética não interfere nem influência nos valores, decisões e escolhas do homem moderno. Daí, então, emerge uma “moral” anticristã, que determina novos costumes, o modelo de família, a política partidária e a promulgação de novas leis.

A cultura pós-moderna com sua lógica de consumo investe em conceitos de bem-estar, estética e autonomia. Nos “supermercados da fé”, a filosofia é semelhante. A oferta de crenças segue a lógica do marketing, prometendo status, prazer e auto realização. No fim de tudo, o que temos é o reinado da egolatria em que o homem fez de si mesmo o seu ídolo de estimação.

A Igreja sofre com o imediatismo e o pragmatismo da cultura. Diviniza-se “o aqui e o agora”, negando sua identidade histórica e se abstendo da esperança para o futuro. Assim, a Igreja vai se “asfixiando na clausura do agora”, como já disse Zygmunt Bauman. Tudo isso tem contribuído para a fragmentação e o divisionismo da Igreja, o que representa um grande desafio para quem não desistiu de sonhar com a “utopia” de uma igreja una.

Devemos considerar a oração do nosso Senhor, na dependência do Espírito Santo, com a finalidade de discernirmos pelo menos três verdades:

(1) o modelo de unidade;

(2) a causa primária da unidade;

(3) o propósito da unidade.

1. O modelo de unidade (vs. 20-21)

Em sua oração, nosso Senhor suplica por uma unidade extraordinariamente inclusivista, envolvendo crentes de todas as épocas, culturas e lugares: "E rogo não somente por estes, mas também por aqueles que virão a crer em mim pela palavra deles" (v.20). O que quer dizer que a unidade da igreja repousa sobre o princípio da universalidade. Logo, nenhuma igreja local é a igreja de Cristo. Afinal, se assim fosse, Cristo teria várias igrejas e não uma só. Semelhantemente, nenhum ministro é, antes de tudo, ministro da igreja local. Isso porque, antes de pertencermos a uma igreja local, Deus nos inseriu na igreja universal. Todo crente ou líder tem por dever zelar pela edificação da igreja universal e de sua unidade:

"O crente não é, em absoluto, tanto um membro de qualquer igreja local quanto da igreja de Cristo, que não se encontra confinada em nenhum lugar e nenhum povo. De forma semelhante, os ministros da igreja cristã não são apenas ministros de determinada comunidade específica, mas de toda a comunidade visível de crentes" (BANNERMAN, James)

 

Embora no plano local a Igreja seja plural, quanto à universalidade a Igreja é una, significando que o Senhor Jesus tem uma só Igreja. Em inúmeras passagens, o apóstolo Paulo refere-se à Igreja de Deus sempre no singular (1Co.15.9; Gl.1.13; Ef.1.22; Fp.3.6; Cl.1.18, 24-25). Assim, quem enxerga a Igreja local com status de universalidade termina se sentindo e agindo como um papa universal. Apesar das dificuldades que são reais e visíveis, devemos somar esforços em prol da Igreja espalhada em toda terra, caso contrário estaremos não apenas negando a unidade, mas também rejeitando o princípio da universalidade.

Nesse sentido é que devemos atentar para as palavras de Henry Bullinger:

“Assim como há somente um Deus, uma Palavra, um Filho, etc., da mesma forma há somente uma verdade divina, somente uma fé cristã verdadeira e somente uma igreja cristã universal na qual todos os crentes ouvem e aderem somente à verdade divina, amam o único Deus verdadeiro com todo o seu coração e alma e força, cultuam e invocam e reverenciam somente a Ele”. 


O fato, porém, de pertencermos à igreja corpo místico e universal do nosso Senhor não garante a unidade automática de todos os crentes, ministros e comunidades locais. É dever de todos e expressão da espiritualidade bíblica cultivar e promover a unidade do corpo, mesmo em face às diferenças e divergências.


2. A causa primária da unidade (v. 22)

Após destacar o modelo e a abrangência dessa unidade, o Senhor nos revela porque sua oração é muito mais do que um sonho utópico: “Eu lhes dei a glória que me deste, para que sejam um, assim como nós somos um” (v.22). Em outras palavras, nosso Senhor está dizendo que essa unidade é possível porque Ele mesmo já deu a igreja o que ela precisa para tornar prática a verdadeira unidade.

Convém, então, que perguntemos: Que glória é essa que Cristo recebeu e concedeu a igreja a fim de torná-la una? Essa não é uma questão fácil de responder, porém há pelo menos três elementos que podem elucidar, trazendo luz à nossa interpretação.


Primeiro, devemos lembrar que o uso da palavra “glória” na Bíblia é normalmente a maneira de nos fazer entender que o Deus transcendente se revela, isto é, se faz imanente. Glória é um termo usado para falar da majestade, poder, santidade e justiça divinas. "Glória" é o modo como os atributos de Deus são comunicados ou simplesmente revelados ao Seu povo. Quando Cristo diz que deu dessa glória recebida, Ele está declarando que, em sua deidade, nos entregou a sua Glória; nEle o próprio Deus se tornou a dádiva maior para o Seu povo (Jo.1.14). Logo, Cristo é a causa primária ou a fonte da verdadeira unidade. 


Cristo também é a causa primária da unidade nas analogias paulinas que tratam da natureza Igreja. Em cada uma delas, evidencia-se que a referida unidade é de natureza cristocêntrica:

1) Corpo de Cristo (Rm.12.5; 1Co.12.12-28);

2) Família de Deus (Ef.2.19);

3) Edifício espiritual (Ef.2.20-22; 1Co.3.10-17);

4) Noiva de Cristo (Ef.5.32)


A unidade da Igreja está mística e intrinsecamente relacionada à obra e à pessoa de Cristo. Não podemos pensar a Igreja destituída do atributo da unidade. Uma vez que Cristo é a cabeça do corpo, o governante da família, a principal pedra do edifício e o noivo da noiva, isso quer dizer que a unidade da igreja repousa em Cristo como mediador crucificado, ressurreto e exaltado. Dependemos totalmente de Cristo para vivermos em unidade como destaca o reformador João Calvino ao comentar Romanos 12.4-5:

 

“Somos chamados com a condição de vivermos unidos em um só corpo... E já que os homens não podem chegar a tal união por si mesmos, o próprio Senhor se tornou o vínculo dessa união”. 


O apóstolo Paulo aponta de muitas maneiras que a fonte da verdadeira unidade é Cristo. Contra a tendência separatista e exclusivista, de orgulho e soberba racial dos israelitas, ele proclama que em Cristo, por um só Espírito, Deus batizou para ser um só corpo, judeus, gregos, escravos e livres. Sendo dado a todos beber de um só Espírito (1Co.12.13). A isso ele acrescenta que Cristo se tornou a nossa paz e depois de demolir o muro de separação, desfez a inimizade, fazendo de ambos os povos, judeus e gentios, um só (Ef.2.14). Cristo se opôs a todo preconceito de superioridade ou de inferioridade por conta das diferenças: “Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há homem nem mulher, porque todos vós sois um em Cristo Jesus” (Ef.3.28).

Segundo, precisamos lembrar que Jesus é o verbo encarnado que veio comunicar as boas novas de salvação. O verbo encarnado e proclamado é de fato a glória que torna essa unidade possível (vs.6-8). Isso quer dizer que aqueles que são submetidos à Palavra, que são libertos e alimentados por ela, são desafiados a andar em unidade.

A Oração Sacerdotal mostra que nosso Senhor também orou pela santidade da igreja (v.17). E quando o fez, Ele considerou a verdade como meio indispensável para tal fim. Podemos concluir, ainda que por inferência, que assim como não existe santidade sem a verdade, tão pouco poderá haver unidade sem a verdade normalizadora e transformadora do Evangelho.

Terceiro, a declaração do nosso Senhor de que concedeu a glória recebida, visando à unidade da Igreja, pode perfeitamente ser uma referência ao Espírito Santo que embora já estivesse em plena evidência no ministério de Cristo e na vida dos discípulos, ainda assim, haveria de ser derramado como torrente d'água após Sua ascensão aos céus.

Ainda no Evangelho de João, nosso Senhor prometeu que enviaria outro consolador, o Espírito Santo, e que Ele guiaria os discípulos na verdade (Jo.16.13). Posteriormente, o apóstolo Paulo exorta a Igreja em Éfeso à unidade, denominando-a de “unidade do Espírito”. O apóstolo destaca, também, que temos todos “um só Espírito”, fator determinante para que vivamos em unidade. Significando, portanto, que o Espírito que guia o crente na verdade do Evangelho é o mesmo Espírito que promove a unidade (Ef.4.3-4). Afinal, nada acontece na vida do crente sem a ação do Espírito e nada o Espírito faz sem a devida aplicação do Evangelho.

Portanto, a unidade é possível porque Cristo nos deu a Sua glória.


3. O propósito da unidade (v. 23)

Conforme o verso 23, podemos concluir que a unidade representa um apelo evangelístico de grande impacto e poder de persuasão. A unidade tem o propósito missiológico.

Ao comentar Efésios 4.16, Calvino destaca o amor prático como meio de unidade:

“Caso queiramos ser considerados em Cristo, que nenhum de nós seja tudo para si mesmo, senão que, tudo quanto venhamos a ser, sejamos em relação uns aos outros. Isso só pode ser realizado pelo amor; e onde o amor não reina, também não existe edificação para igreja, senão mera dispersão”. 


Porém, a igreja não poderá se evidenciar como um projeto de comunidade saudável, confiável e relevantemente frutífero, caso prevaleça a cultura cismática e fragmentária dos nossos dias. O divisionismo não apenas enfraquece a missão, mas revela nossas profundas contradições em relação a nossa pregação. No divisionismo, a pregação do amor, do perdão, da humildade e da tolerância, simbolizada no princípio da “outra face” e da “outra milha”, é sufocada por ações e motivações egoístas, pelo radicalismo raivoso, pela soberba arrogante e pelas crises de poder da política eclesiástica.


A unidade é imprescindível para a missão. Dada a imensidão dos desafios, é nosso dever unir as forças, os recursos e dons que Deus tem nos dado a fim que tenhamos bom êxito na gloriosa missão de levar o Evangelho a toda criatura.

Ao comentar 1 Coríntios 12.11, Calvino denuncia o pecado da autossuficiência:

 

“Paulo intima os Coríntios à unidade, lembrando-os de que todos os dons que possuíam, obtiveram-nos de uma única fonte; mas, ao mesmo tempo, ele prova que ninguém possui tanto para que se sinta autossuficiente, que não necessite do auxílio de outrem... Ele (O Espírito de Deus) não distribui tudo a um só indivíduo, para evitar que alguém fique tão satisfeito com sua porção, que procure isolar-se dos demais, vivendo unicamente para si”. 


E na prática?

Chamo a atenção, agora, para que consideremos e reflitamos sobre algumas implicações de ordem prática e para os cuidados que precisamos ter no compromisso de promover a unidade, conforme o que vimos na oração do nosso Senhor:

 

- Devemos nos esforçar para evitar os cismas

Às vezes somos acusados de trazer nas nossas origens protestantes a cultura do cisma. Que seja dito, porém, que Lutero não foi um mero iconoclasta. É fato que ele chamou a hierarquia romana de “a igreja-prostituta do diabo” e que queimou alguns documentos da igreja. No entanto, Lutero queria apenas que a verdadeira igreja, una, santa e universal fosse resgatada das trevas medievais.


Lutero não era um individualista arrogante e, muito menos, um desses desistentes da fé, cujas críticas não têm o menor propósito de promover exortação, edificação e consolo à Igreja de Deus. Ele jamais negou o caráter comunal da Igreja de Deus. Dizia ainda: “a igreja cristã é tua mãe”. Justificativa? “É ela ‘que te faz nascer e te guia pela Palavra’”. Lutero tinha a igreja na mais alta conta:


"Ela me é querida, a digna donzela,
E não a posso esquecer;
Dela o louvor, a honra e a virtude se comentam;
Então meu amor ainda mais cresce.
Eu busco o bem dela é, se eu quisesse endireitar os caminhos do mal,
Não me importo, ela vai me recompensar,
Com amor e verdade que não se esgotarão,
Que ela sempre me mostrará;
E fará tudo o que eu desejar”.


Quando perguntado, certa vez, sobre o que é a igreja, Lutero respondeu:

 “Ora, uma criança de sete anos sabe o que é a igreja, isto é, cristãos santos e ovelhas que ouvem a voz de seu pastor”

Calvino acreditava que quem abandona a Igreja renuncia o próprio Deus e a Cristo e que os cismas consistem em grande pecado:

“Pois o senhor estima tanto a comunhão da sua igreja que Ele considera como um traidor e apóstata da religião quem perversamente se retira de qualquer sociedade cristã que preserva o verdadeiro ministério da Palavra e os sacramentos”.


O cisma é um pecado terrível que se comete contra a autoridade de Cristo. Em nossos dias, as questões mais triviais se constituem em motivo de divisão. Há três práticas que, corriqueiramente, fazem o corpo de Cristo "sangrar" nesse País:

a) A constante troca de igreja por motivos de contenda. A incapacidade de superar diferenças e dificuldades torna-se razão para que muitos crentes não fixem residência em nenhuma igreja local por muito tempo. O problema é que se a igreja é universal, como posso ter unidade com a “nova” igreja se continuo com a comunhão quebrada com a “antiga” igreja?

b) O movimento dos “desigrejados”. Se não há lugar para mim em nenhuma igreja local como posso pertencer à igreja universal? Como membro do corpo místico de Cristo, sou convocado a dar visibilidade ao Reino de Deus por meio da Igreja visível. Quem desiste da Igreja alegando pecados e contradições, nada mais faz se não atestar sua própria arrogância e desamor pela noiva de Cristo.

A oração do Pai Nosso pressupõe a existência de uma corporação. Em nenhum momento, encontramos alguma expressão voltada para o individual ou para o enclausuramento personalista e isolacionista. As expressões presentes na oração do nosso Senhor apontam para uma experiência comunitária, inclusivista, relacional, comunal, fraternal e solidária.

Ao comentar Efésios 4.12, Calvino parece falar dessa tendência atual dos chamados sem-igrejas:

“Nossa verdadeira plenitude e perfeição consiste em estarmos unidos no corpo de Cristo... Tais são os fanáticos, que inventam para si mesmos revelações secretas do Espírito, bem como os soberbos que acreditam que lhes é suficiente a leitura privativa das Escrituras, não tendo qualquer necessidade do ministério da igreja... A melhor forma de promover a unidade é congregar [o povo] para o ensino comunitário...”.


Ainda em Efésios 4.4, Calvino vê a unidade da igreja como um sinal visível do reino:


“Quanto deveríamos odiar todas as discórdias, se porventura refletíssemos convenientemente que todos quantos se separam de seus irmãos, eles mesmos se fazem estranhos ao reino de Deus!”. 


c) A filosofia de ministério que norteia a abertura de novas igrejas. O crescimento entre evangélicos dá-se mais por divisão do que por multiplicação, dá-se mais por proselitismo do que por evangelização e discipulado. O surgimento de muitas igrejas, antes de ser o resultado de uma ação missionária promovida pelo Espírito Santo, decorre da luta pelo poder, dificuldade de se submeter a alguma autoridade e até mesmo como fonte de lucro dos atores envolvidos. Lembremo-nos, porém, que assediar crentes de outra comunidade é ignorá-la como parte constitutiva do corpo de Cristo. Além do mais, no proselitismo evangélico, o princípio de cooperação e comunhão é substituído pela lógica da concorrência e da competição.

Que atentemos, então, para a advertência de James Bannerman:

“Não pode ser ofensa pequena aquela que faz o reino único de Deus neste mundo parecer dividido contra si mesmo, e propenso a desabar”.


- Devemos preservar a unidade sem negociar os conteúdos da fé

Destacamos, aqui, o exemplo do Rev. John Stott, que frequentemente era questionado do porquê da sua permanência na igreja da Inglaterra, uma vez que ele discordava de muitas das suas práticas e doutrinas. Stott procurava explicar sua posição, delineando três caminhos possíveis:

Primeiro, Stott apresenta a opção de separação da igreja. Essa seria, segundo ele, a decisão de preservar a pureza doutrinária da Igreja. Stott observa, porém, que, via de regra, a tendência aqui é de "buscar a pureza da verdade à custa da sua unidade". Identificamos nessa prática a tendência de uma apologia do desamor. A indiferença e o descaso para com o outro é justificada em nome da verdade. Nesse caso, resta o moralismo e o legalismo impiedoso, bem ao estilo do exclusivismo separatista dos fariseus que Jesus tanto combateu.

 

A despeito dessa questão, Stott pondera, dizendo que:


"Precisamos lembrar, porém, que os próprios reformadores do século XVI eram cismáticos muito relutantes. Eles não queriam deixar a Igreja Católica. Pelo contrário, sonhavam com um catolicismo reformado, uma Igreja reformada de acordo com a Escritura, estando interessado tanto na pureza quanto na sua unidade. Calvino, por exemplo, escreveu em 1522 que a separação das igrejas estava ‘entre as maiores desgraças de nosso século’”. 


Segundo, Stott menciona a opção da concessão e até da conformidade. Trata-se do posicionamento de que devemos lutar pela unidade a qualquer custo. Ainda que para preservar a unidade tenhamos que sacrificar a verdade no altar da pluralidade, do relativismo e do liberalismo teológico. É como se alguém dissesse que, em nome da unidade proposta por Jesus, nós devêssemos abrir mão da verdade ensinada nas Escrituras.

Observe que as duas opções até aqui mencionadas contrastam em seus extremos e caminham de modo irreconciliáveis, promovendo o empobrecimento da fé, minando a identidade da igreja, enfraquecendo a missão e comprometendo a credibilidade do seu testemunho. Afinal de contas, como preservar a identidade se não houver clareza quanto aos fundamentos da fé? Como falar de missão se a igreja estiver sangrando ou se os conteúdos da sua pregação forem retirados, substituídos ou deturpados?

Terceiro, Stott opta pela opção da abrangência sem concessão. O Rev. John Stott destaca que essa é a mais difícil das três opções. De fato. A primeira é muito fácil. Só precisamos entrar no nosso “mosteiro” ou na “caverna” da super espiritualidade, separar-se de todo mundo e optar pelo o enclausuramento religioso. A segunda opção é a da conveniência. No mundo do politicamente correto, da pluralidade e da rejeição a todo conceito de verdade absoluta, nada é mais conveniente do que se tornar um desistente da verdade. Porém abrangência sem concessão é sempre um caminho de tensão, de reflexão, de reconstrução, de negociação, de resgate e redescoberta do que se perdeu, de se despojar de tradições ou costumes que nada tem a ver com a universalidade da Igreja.

Por isso mesmo é que Stott propõe “que a unidade deve ser na verdade e que a abrangência deve ser regida por princípios...”. Porém, nossa tendência natural é de nos isolarmos e de nos fecharmos em torno da nossa caverna eclesiástica. Pensamos, então, como Elias que não há nada nem ninguém além de nós mesmos. O resultado disso é depressão nas crises e orgulho no sucesso. Além disso, tornamos absolutas as nossas opiniões, liturgias, métodos de crescimento e modelo de funcionamento, ao mesmo tempo em que ignoramos quaisquer expressões da Igreja em outros lugares ou épocas.

- Devemos cultivar a comunhão e realizar a missão com outros irmãos

A questão aqui é das mais controversas. Como saber em que situação eu posso deixar a igreja sem cometer o pecado do cisma? Quem eu devo ou não considerar evangélico? Com quem eu posso me juntar para comer o pão e cumprir a missão?

Em tese, só há uma situação que justifica o abandono da igreja: quando ela renega o Evangelho e se recusa arrepender-se desse terrível pecado. Acreditamos que tenha sido esse o caso de Lutero.

Como disse Orígenes: "Às vezes acontece que a pessoa que sai [da igreja] está dentro e a pessoa que parece permanecer está fora".

Devemos considerar, à luz da Escritura e da História, que igrejas apostatam da fé. Toda vez que uma igreja se desvia da sã doutrina e impõe sobre seus membros o pesado jugo de costumes, práticas e ensinos que contradizem a Palavra de Deus, não havendo como reverter tal situação, o crente que decide desligar-se dela não será culpado de tal cisma. Como, porém, saber se a igreja local é parte constitutiva da Igreja universal para que eu possa permanecer nela e com ela manter comunhão?

A grande tensão aqui é como preservar a unidade evangélica sem que isso resulte em prejuízo para a doutrina, a ética e a credibilidade do testemunho da Igreja. Quanto a essa tensão, que de fato existe,

É fato que o termo “evangélico” tem passado por mudanças radicais nos últimos anos. Como definir o que é evangélico num evangelicalismo sincretista e marcado pela pluralidade de seitas “neo-evangélicas”? É exatamente aí que devemos perguntar: a igreja em questão adota esses princípios de fé, reconhecendo a autoridade e suficiência da Escritura e a justificação pela fé somente?


Assim como fizeram os reformadores, caso a resposta seja positiva, devemos primar pela unidade da igreja, andando em comunhão com outros irmãos, pois, ainda que sejamos discordantes em muitas questões, consideradas secundárias, nas questões centrais e inegociáveis da fé, cremos e confessamos uma só verdade.


Ao comentar Efésios 4.1, Calvino destaca a importância da humildade para que possamos superar as diferenças triviais: "Aquele que se desfaz da arrogância e cessa de agradar a si próprio se tornará manso e acessível. E quem quer que persista em tal moderação ignorará e tolerará muitas coisas nos irmãos". 

 

Conclusão
Cremos que a unidade é um ensino bíblico que exige de todo crente, especialmente, dos líderes, um compromisso prático. Precisamos suplicar ao Senhor para que Ele nos dê coração quebrantado e verdadeira humildade. O corpo de Cristo não pode continuar "sangrando" por conta de vaidades e intolerâncias gratuitas. Uma vez que o amor é a expressão maior da vontade de Deus para Seu povo, revelada na Sua palavra, convém, então, que o amor triunfe, que o perdão prevaleça e que o viver em comunhão transcenda sobre a mesmice da contenda e da hipocrisia.

Que Deus promova temor em nossos corações no intuito de andarmos em conformidade com Evangelho, sendo instruídos e corrigidos pelo Seu Espírito, amando e servindo Sua igreja com zelo e santa devoção. Pois, se assim procedermos, viveremos como membros do corpo de Cristo, membros da família de Deus e como edifício “bem ajustado [que] cresce para ser templo santo no Senhor”, seremos todos “edificados para morada de Deus no Espírito” (Ef 2.19-22).

 

Desta forma fica explicito também a proposta de POR QUE SOMOS CONSIDERAMOS UMA SEITA?

É simples pelo fato de mantermo-nos dentro da caverna de Adulão, pelo fato de nos mantermos escondidos precisamos sair e nos apresentar como gente disposta a servir ainda mais que Jesus já está voltando.

Por fim só mudaremos especificamente este quadro quando entendermos que Jesus está voltando e que o que nos une (O NOME DE JESUS) é muito maior que o que nos separa.

A diáspora sempre foi importante para a história da Igreja, agora a unidade é essencial para a vinda de Cristo, Ele não virá com uma pá para recolher os cacos da Igreja, Ele virá para buscar sua noiva, santa e imaculada. E ai quem é você no corpo de Cristo?


Trecho extraido do livro AVIVAMENTO NOW (Já disponivel)

de Pr. Dr. Wagner Teruel